Macapá / AP - sexta-feira, 06 de dezembro de 2019

Sexualidade e Envelhecimento

O sexo é importante para você? Por que, então, não seria para seus pais ou seus avós?


 

 

Pode não parecer para muitos, mas uma boa saúde sexual é imprescindível no acompanhamento do idoso. Estar bem com sua sexualidade pode ter reflexos no quadro de humor e prevenir episódios de depressão, além de estarem relacionados a um melhor controle de doenças do coração e na prevenção de agravos como as demências, que tanto assustam a população geriátrica.

 

E o que causa problemas sexuais à medida que envelhecemos? 

Há muitas coisas que podem levar à diminuição do interesse ou capacidade de fazer sexo com a idade. Estes incluem:

Redução de hormônios - Conforme as pessoas envelhecem, seus corpos produzem menos hormônios sexuais. Isso é especialmente verdade para as mulheres que passaram pela menopausa. Mas os hormônios mudam em homens também. Nas mulheres, a queda nos hormônios é mais brusca, especialmente se elas tiveram seus ovários removidos.

Outras condições médicas - Condições clínicas como diabetes, doenças do coração, obesidade, pressão alta e dor crônica podem diminuir o interesse de uma pessoa ou a capacidade de fazer sexo. Nos homens, a diabetes é uma das principais causas de problemas com ereção.

Passado cirurgia ou tratamento médico - Homens que fizeram cirurgia ou radioterapia para tratar o câncer de próstata, frequentemente, desenvolvem problemas com ereções. Homens que estão em tratamento para doenças relacionadas ao aumento da próstata podem ter problemas com o orgasmo. As mulheres que sofreram cirurgias para tratar problemas com seus órgãos sexuais ou da bexiga também podem ter problemas com o sexo.

Depressão ou ansiedade – Quadros de depressão estão presentes em cerca de 20% da população idosa. Estas condições podem também levar a problemas com o sexo.

Fumar em homens - Homens que fumam têm mais probabilidade do que aqueles que não fumam a ter problemas com ereções.

Medicamentos - Alguns dos medicamentos para o controle do diabetes, pressão alta, doenças do coração, depressão e outras condições podem ter efeitos colaterais que causam problemas com o sexo.

 

Devo procurar um médico?

Se você está feliz com a qualidade e quantidade de sexo que você tem, não, você não precisa consultar o seu médico. Mas, se você não está satisfeito com sua vida sexual, sim, consulte o seu médico. Ele pode ter tratamentos ou soluções para sugerir.

 

Para ajudar com o seu problema, o médico pode:

  1. Mudar para medicamentos que são menos propensos a causar problemas (ou diminuir a sua dose).
  2. Sugerir e prescrever terapias que possam auxiliar na ereção.
  3. Prescrever medicações que possam controlar quadros de ejaculação precoce.
  4. Sugerir lubrificantes ou dispositivos que possam melhorar o sexo ou excitação e diminuir os episódios de dor nas relações sexuais.
  5. Realizar tratamento para incontinência urinária, que pode atrapalhar e constranger as relações.

 

E se eu já tive um infarto ou outro problema do coração?

Se você já teve um infarto ou outra crise de saúde, a ideia de fazer sexo pode assustar. Muitas pessoas que tiveram um infarto ou uma crise semelhante podem ter relações sexuais com segurança depois. Verifique com seu médico e siga suas instruções. Você provavelmente terá que esperar algum tempo após a sua última crise, além de precisar mudar o que você fazia durante o sexo. Mas as chances são boas de que você volte a ser capaz de fazer sexo com segurança novamente.

 

Se você tiver uma condição que cause dor ou rigidez, tais como artrite, tente agendar o sexo para um momento em que você está no seu melhor e os seus medicamentos para a dor são mais eficazes. Se você é menos flexível do que você costumava ser, tente posições diferentes ou pergunte ao seu parceiro se ele ou ela pode ajudar. Esteja aberto com seu parceiro e explique o que está acontecendo com você. Além disso, incentive o seu companheiro a procurar tratamento para problemas físicos ou sexuais que ele ou ela possa ter. Dessa forma, ambos estarão no seu melhor para os momentos mais especiais.

 

 

Alessandro Nunes

Médico prof efetivo da UNIFAP e especializado em Clínica Médica pela UNIFESP e Geriatria pela USP.